GRAVAÇÃO DO NOVO DISCO – RELATOS DA PRIMEIRA SESSÃO

Ontem começamos a gravar o nosso terceiro disco de estúdio. Compor músicas novas, pensar nelas no universo das nossas antigas composições, em como isso vai soar ao vivo é um processo demorado mas ao mesmo tempo prazeroso.

Gravar para gente nem demora tanto, temos uma estrutura praticamente perfeita que nos permite experimentar diversos timbres, posicionamentos de microfones, amplificadores e por aí vai. Já vínhamos ensaiando cinco músicas e ontem conseguimos registrar praticamente três, faltando apenas os baixos e camas de synth que ainda vamos compor. Sempre colocamos as guitarras primeiro nas nossas gravações.

Assiste ai o vídeo de preparação “Molho Negro”, nome provisório de uma das músicas que gravamos ontem.

Essa música é do João Lemos, da banda paraense Molho Negro, fã dos Camarones. Também somos fãs da banda dele e numa brincadeira numa das tours deles aqui por Natal ele nos mostrou essa música. No nosso arranjo final ficou um pouco diferente da versão dele e ainda compomos uma parte três para dar o glass final. É um surf rock, bacanudo, dançante e uma faixa que com certeza vai compor bem nosso show. Léo caprichou na ambiência e em pequenos slapbacks com o delay para dar uma cara bacana pra sonoridade. Também usamos dois amps diferentes nela. O Hiwatt e o Orange, dependendo das partes. Além dos overdrives de válvula que priorizamos usar (raramente ligamos drives de pedal), ainda demos uma camada de fuzz na parte final. Ficou bem bonito.

Olha aí uma foto do setup de amps que vamos usar nessas gravações. São aqui do Estúdio Dosol.

Outra música que gravamos ontem é uma composição de Foca intitulada “Começando do Fim”,  nome provisório ainda. Olha o take dela nos ensaios de preparação do disco e jajá comentamos das gravações.

Esse som é um tipo de composição que pega muito com o estilo e o nosso jeito de tocar. Valoriza o punch, a chegada das guitarras, muito mais do que melodias ou estripulias musicais. Sempre reservamos em disco esse momento meio minimalista para sentir que estamos tocando junto. Para gravar essa música usamos o set mais simples possível Gibson Special direto na hiwatt, ganho, amp no volume máximo e tá feito. Tá com um sonzão e ainda nem chegou o baixo na gravação. Quando a rough mix já sai com pressão é que o resultado do take foi satisfatório.

Assiste aí mais um vídeo da próxima faixa que gravamos. Música de Léo numa pegada meio rockabilly e que no meio vai para outro lugar.

Essa é uma daquelas músicas que funciona de um jeito especial. A afinação foi toda em OpenG usando uma guitarra Danalectro e o Hiwatt sem drive, apenas com um pequeno crunch quando a pegada aumenta. As cordas da guitarra estavam velhas, o que deixou ainda mais interessante o som (ruim e bom são relativos em música). Tem umas percussões com instrumentos amazônicos que Foca colou também e ficou bem legal.

Segunda retomamos as gravações com mais duas músicas e a tendência é terminarmos a próxima semana com metade do disco pronto. Amanhã postamos o vídeo de como foram os takes ontem e outras opiniões sobre a o trabalho. Até lá!

 

Esta entrada foi publicada em Noticias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Uma resposta a GRAVAÇÃO DO NOVO DISCO – RELATOS DA PRIMEIRA SESSÃO

  1. Heric disse:

    eu sei que o processo de gravação é cheio de detalhes e situações que às vezes impedem a continuidade de relatos como esse. mas não será por falta de leitores! espero que vocês continuem nos contando da evolução do trabalho :D

Deixe uma resposta