GRAVAÇÃO DO CAMARONES: AFINANDO A BATERIA


Foto: sala de gravação com alguns dos brinquedos que utilizaremos (Ana Morena)

Ontem foi o primeiro dia em que deixamos a parte de composição de lado e resolvemos partir para as gravações propriamente ditas. O produtor do disco Chuck Hipolitho chegou na madrugada, já cedo passamos quase duas horas recabeando o Estúdio Dosol e adicionando compressores, prés e outros conversores para dar um up no som.

O processo é simples mas ao mesmo tempo cuidadoso, contei mais de 60 cabos e conexões, somando-se ao cabeamento dos equipamentos de bateria chega perto de 80. Um número assustador mas que se você tem real controle sobre  o que está fazendo não é tão apavorante assim. Resolvemos fazer o disco em casa em vez de ir pra um outro estúdio, o ambiente do Dosol é excelente, os equipamentos também e a gente está bem satisfeito de gravar onde ensaiamos todos os dias.

Logo depois começamos um longo processo de montagem da bateria. Só para vocês terem uma ideia estão sendo usados três bumbos: dois de 22″ e um de 24″.  Foram varios testes, troca de pele, microfonação, arrumação e posicionamentos. Ainda não temos certeza mas acho que hoje, depois de quase duas horas des testes, começaremos a gravar. Tem vídeos de tudo isso. Fiquem ligados.

O disco “Espionagem Industrial” do Camarones Orquestra Guitarrística é patrocinado pelo Programa Petrobrás Cultural.

Veja fotos dos bastidores da gravação aqui

Esta entrada foi publicada em Noticias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta