DIÁRIO DE BORDO (02): ARGENTINA E SUL DO BRASIL


Foto: Camarones em Burzaco, El Tio Bizarro

Como seria um texto muito grande relatar tudo de uma vez, voltamos com a segunda parte dos nossos relatos e dicas da tour Argentina e pelo Sul do país. Depois de dois shows seguidos em Buenos Aires tivemos um dia off na sexta para recuperar as energias e encarar mais dias de tour pela frente. Visitamos Palermo Soho, bairro nobre de Buenos Aires,  com o Dacho, guitarrista do Tormentos. Aproveitamos também para cometer o pecado da gula (algumas vezes).

Nossa missão de sábado não era das mais fáceis, nosso show seria no El Tio Bizarro em Burzaco e não tínhamos condução até o local. Depois de alguns estudos de caso, Leandro (do Falsos Conejos) e Pablo (Da Scatter) desenrolaram nosso roteiro. Saímos às 18h do Obelisco numa van clandestina e lotada de passageiros rumando pro Sul com todos os nossos equipamentos, num total de 14 volumes. Depois de uma hora, descemos no fim da linha da van na tentativa de pegar um taxi direto pro local do show. Não foi possível. Rumamos até a estação de trem que era bem próxima e resolvemos que essa seria nossa condução. Chegamos na linha, ficamos em grupo e uma estação depois descemos para procurar o show. Depois de duas tentativas frustradas achamos o lugar. Isso tudo deve ter durado umas duas horas.

Na real foi bem divertido, fazer o roteiro desse jeito e para nossa sorte tinha uma van para nos levar de volta para Buenos Aires, porque de madrugada não seria tão divertido assim…

O El Tio Bizarro lembra muito o Blackout, que a galera de Natal conhece bem. Um lugar estreito, muito simpático e com um palco ao fundo. Comparando com um lugar de São Paulo lembra um pouquinho o Outs, só que bem menor. Devem caber lá umas 200 pessoas. Tocamos com os caras do Los Fujimoris, que nos receberam muito bem e levaram um backline incrível para as duas bandas se apresentarem. Ajudamos a montar, passamos o som e ficamos tomando cerveja e comendo batata frita (tomei abuso temporário de batata frita diga-se de passagem). Quase uma da manhã e apenas umas 30 cabeças dentro do espaço. Em meia hora seria nosso show. Era justo né? Tínhamos vindo de duas datas “souldout” e o mais comum nessa situação é o universo colocar você no devido lugar.

Por incrível que pareça, em meia hora o lugar superlotou e um pouco antes de começarmos nosso show já havia uma fila de quase 50 pessoas fora do espaço esperando uma oportunidade de entrar. Foi a senha para uma grande festa. Impressionante como nossos shows encaixaram com o público argentino. Mais uma vez fomos muito recebidos, todo mundo dançando e no final a turma pedindo bis. Dessa vez por respeito ao horário não deu para voltar. O Fujimoris mandou bala em mais um show incrível de banda argentina e viciou nosso guitarrista Leo Martinez, que até hoje não para de ouvi-los incansavelmente. Festa, cerveja e novos amigos. Fomos para casa felizes.


Foto: Foca e Leandro Conejo na porta do Santana Bar, Ramos Mejia

Mal deu tempo de recuperar as energias e já estávamos prontos para um novo ataque sonoro. Dessa vez nossa missão seria ir até Ramos Mejia – distante 40km de Buenos Aires – nos apresentar num show organizado pelos grandes Los Lotus. Dessa vez o show mandou uma van nos buscar e novamente às 18h partimos rumo ao rock. Essas cidades satélites em volta de Buenos Aires são bastante estruturadas e na real são uma espécie de bairro afastado da capital federal, esquema Taguatinga/Brasília. Fomos rumo ao Santana Bar, que de longe foi o espaço mais charmoso que nos apresentamos. Todo de madeira, estruturado, com ótima sonorização e um clima bem roqueiro. Por lá devem caber também umas 200 pessoas. Passamos o som, deixamos tudo pronto e fomos comer um cachorro quente argentino bem parecido com os do Brasil (mas bem pior que o cachorro quente do Arlindo, o meu preferido aqui em Natal).

Os shows começaram perto das 22h já que era um domingo com um grupo punk de Zarate chamado YourHand. Na sequência tocou o The Abstinence com um ótimo surf music baseado num teclado vintage, que chamamos carinhosamente de horror surf music. Nesse dia os Tormentos foram nos assistir e a companhia deles é sempre muito agradável e torna o role mais bacana. Fomos a terceira banda e acho que fizemos nossa melhor apresentação na Argentina. O que é bem natural quando se está em tour, quanto mais tocamos melhor o show vai ficando. Os Los Lotus fecharam com maestria a noitada que deve ter reunido umas 100 pessoas.

Dever cumprido nas apresentações argentinas mas ainda tínhamos duas pautas a cumprir por lá: na segunda demos entrevista de quase uma hora na Rádio LaBoca e na terça fomos acertar nossa parceira e o lançamento do nosso disco em versão latina com a Scatter Records.


Foto: Rio Guaíba dando show na nossa frente! Porto Alegre.

AGORA É SUL DO BRASIL

Terminada a temporada na Argentina rumamos para o Sul do país. A missão era cumprir datas em Porto Alegre e Santa Maria e fazer algumas rádios e TVs. Desembarcamos na capital gaúcha no meio da tarde de quarta-feira e mais uma vez uma van bacana estava a nossa espera, desta vez dirigida pela lendária figura gaúcha PauloZé, músico da Bandinha Di Da Dó, organizador do Morrostock e militante da cultura independente há bons 20 anos. Ficamos hospedados na casa dele, um espaço que parecia uma novela antiga da Globo, com jardins, artefatos setentistas e coisas do tipo. Lugar maravilhoso. Só deu tempo de tomar um banho e arrumar o que fazer, a minha missão era tentar entrar no show do Ozzy (escrevi sobre o show aqui) que acontecia naquela noite em Porto Alegre e o resto da banda queria mais diversão.

Na quinta tínhamos agenda lotada. Fomos na Rádio Ipanema, uma das mais legais de  Porto Alegre, bem na hora do almoço, falamos sobre o show e sobre a banda, tocaram duas músicas, sorteamos discos, foi bem legal. Logo depois rumamos para a TV pública de Porto Alegre que têm um dos programas mais legais de se tocar ao vivo no Brasil que é o Radar. Aprontamos tudo e tocamos ao vivo para todo o Rio Grande do Sul quatro músicas do nosso repertório. Pautas como essa as vezes são mais importantes que o próprio show pelo alcance que atinge.


Foto: Camarones no Garagem Hermética, Porto Alegre.

Da TV fomos direto pro Garagem Hermética, lugar do lendário Fernando e um dos principais palcos de shows independentes do Brasil. Relevância não é tamanho, e o Garagem Hermética deve caber umas 300 pessoas na sua lotação. Passamos o som, checamos tudo e ficamos prontos para o show. Para descansar fomos convidados a comer uma excelente comida vegan na casa do Alan, um chefe de cozinha punk, que mora num lugar incrível bem embaixo do Garagem Hermética.

Umas 150 pessoas apareceram no show, ótimo público pro dia. O Camarones tocou varado e furioso e a Bandinha Di Da Dó colocou todo mundo do espaço para dançar numa mistura de música, teatro e interação contínua com o público. O show deles é de todo mundo que está vendo também.

Carregamos a  Van, fechamos a bilheteria e fomos para casa do Zé tomar um banho e cochilar, às 7h30 nosso ônibus sairia para Santa Maria/RS. Quase cinco horas de viagem, com todo mundo apagado dentro do ônibus e chegamos na simpática cidade do Macondo Coletivo. Os Rinocerontes já nos esperavam na rodoviária, banda excelente de Santa Maria. Nem dem tempo de conversamos  e já fomos direto para TV Mix dar entrevista, exibir nosso clip e falar do show. Os caras do Macondo nos receberam como irmãos distantes que não se vê há muito tempo, fizeram um tremendo churrasco noturno, abriram suas casas para dormirmos e montaram uma gig perfeita para o Camarones. Emocionante para ser bem direto!

O show foi um velho conhecido da gente. Rinoceronte+Camarones, dupla que já fez umas quatro gigs juntas. Somos grandes fãs dos caras e ficamos cantando todas na frente do palco. Para mim foi o melhor show que vi esse ano disparado. Paulo Noronha estava possuído pelo rock e tocou como só os grandes tocam. Foi lindo. Missão dura foi tocar depois disso, mas passamos bem no teste. As pessoas ficaram próximas ao palco  dançando e participando de tudo e quando tocamos o último acorde foi uma gritaria para voltarmos, o que terminou acontecendo para fechar com chave de ouro mais um trecho de tour que cumprimos, desde março de 2010. Saímos em êxtase e ainda deu tempo de visitar o Macondo Lugar. Já temos convite para voltar ao Sul, dessa vez para cumprir no mínimo sete datas. Faremos isso ainda esse ano.

DICAS E CURIOSIDADES

1)      É muito importante você ter uma estrutura ou banda amiga em cada cidade. Fazer tours sem nenhum suporte local é praticamente suicídio é dor de cabeça concentrada. Iniciativas como Fora do Eixo no Brasil são facilmente acessadas e você não precisar ser de “dentro” para tentar fazer shows por aí. Experimente. Receber bandas em sua cidade é uma maneira inteligente de adentrar no universo dos shows também. Se você recebe você também é recebido;

2)      Fique esperto. Em 100% dos lugares que tocamos não tinha nenhum backline. NENHUM. Aqui na nossa cidade, Natal/RN, o Centro Cultural Dosol é só uma exceção que justifica a regra (oferece todos os amps). Não se acostume mal. Fora de casa você precisa estar articulado se não vai tocar o tempo todo “na linha”;

3)      Seja gentil o tempo todo. Lembre-se que no universo independente as pessoas ganham pouco (ou nenhum) dinheiro, e o mínimo que você pode fazer para agradecer a quem recebe seu show é a gentileza em tempo integral;

4)      Nunca fique de braços cruzados. Têm sempre equipamentos para carregar, relocar, guardar. Seja um equipe com sua banda, todos trabalhando um pouco ninguém se cansa e TODOS se divertem;

5)      Em outro país seja educado e se vai falar português, fale baixo. Nada de piadas altas em locais públicos onde só você e sua banda entendem o que está sendo dito. Acho digno tentar se comunicar na língua do país onde você está  (mesmo que seja um mico, as pessoas reconhecem o esforço e te ajudam).

QUER FAZER TOUR? ANOTE OS CONTATOS:

Selo Argentino:
www.scatter.com.ar

Bandas Argentinas:
www.myspace.com/elmatoaunpoliciamotorizado
www.myspace.com/thetormentos
http://www.myspace.com/thefujimoris
http://www.myspace.com/loslotus

Locais de shows:
El Tio Bizarro (Burzaco) – http://www.facebook.com/group.php?gid=23557308907
Salon Pueyrreedon (Buenos Aires) – www.facebook.com/spueyrredon
Sitio Plasma (Buenos Aires) – www.sitioplasma.com.ar
Santana Bar – Av. Pte Perón 414, Ex Gaona, Ramos Mejía, Provincia de Buenos Aires

No Brasil:
www.foradoeixo.org.br
macondocoletivo.wordpress.com

Bandas Brasileiras:
Bandinha Di Da dó – www.myspace.com/bandinhadidado
Rinoceronte – www.myspace.com/rinoceronterock

Locais de shows
Geragem Hermética – www.garagemhermetica.com.br/
Macondo Lugar – www.macondolugar.com.br/
Moto Garage – R. Marechal Floriano Peixoto 2010 – Centro
Santa Maria, RS | CEP: 97015-372 (55) 3307-6871

Esta entrada foi publicada em Noticias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

2 respostas a DIÁRIO DE BORDO (02): ARGENTINA E SUL DO BRASIL

  1. Pingback: DIÁRIO DE BORDO (02): CAMARONES NA ARGENTINA E NO SUL DO BRASIL – VEJA TODOS OS CONTATOS » DoSol

  2. patrick disse:

    excelente review ae foca!!!

Deixe uma resposta