COMO FOI? TOUR CAMARONES – SOROCABA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, BAURU E SÃO PAULO


Foto: Ana em ação no Domingo na Casa (São Paulo)

Começando pelo final. No vôo de volta todo mundo apagou e acordou com o aviso de pouso em Natal. Já dá para notar como foi frenético esse começo de tour e essa a tendência até que se encerrem as datas ou que o cansaço peça uma pausa.

Saímos de Natal de quarta para quinta num vôo que já conhecemos bem. Chegamos em São Paulo 6h30 da manhã, fizemos o translado Guarulhos/Congonhas, alugamos um carro e chegamos ao QG do Camarones na Vila Madalena quase 11h. Só deu tempo de fazer uma pequena arrumação nas bagagens e vazar pro centro de São Paulo. A missão era resgatar parte do nosso merchadising que está sendo feito pelo pessoal da Travolta Discos.

Retornamos para o QG e seguimos viagem para Sorocaba, nossa primeira parada de quatro shows seguidos que fizemos em SP. A viagem foi curta, um pouco mais de 100km, cumpridos em uma hora e meia (só para sair de SP leva uns 40 minutos). Chegamos a sede do pessoal do Rasgada Coletivo, uma turma que inclui bandas e uma perna bem forte de Cine Clubista e afins. Conhecemos eles na vinda do INI ao Nordeste, banda bem bacana que tocou no Festival Dosol 2011. Montamos tudo no Sound02, um pub bem roqueiro numa das principais ruas de Sorocaba (que diga-se de passagem, é quase do tamanho de Natal) e fomos comer algo (nesse jantar encontramos os brothers pernambucanos Rogerman e André Frank).


Foto: Kaká em ação no Dominmgo na Casa (São Paulo)

Como a ideia era voltar para SP após o show, pedimos para abrir as atividades. Por volta de 24h mandamos bala no rock. Imagina a cena. Pub TODO PRETO, lotado (umas 150 pessoas dentro e fora) e um calor dos infernos. Clima mais rock não há. O show foi ótimo e ALTO. Logo depois da gente os bacanudos Tank Tape (banda sorocabana) distribuíram bordoadas roqueiras no seu show. Demos um tempo para vender o merchadising arrumamos o carro e voltamos tranqüilos para SP, encontrar o sono dos justos (já estávamos 24 horas acordados desde a saída de Natal).

Perto do meio-dia o bonde camarônico começou a andar novamente. Era sexta, dia de show no Sesc São José dos Campos e a boa dormida redobrou as energias para a próxima data. A passagem de som em SJC era bem cedo, 15h. Rumamos de SP um pouco atrasados mas nada que comprometesse o roteiro da tour. Mais uma viagem de pouco mais de 100km e já estávamos chegando ao Sesc SJC. Que cidade linda! Passamos o excelente som colocaram para a nossa apresentação (padrão, se tratando de Sescs SP) e fomos passear no parque ao lado, o belíssimo Santos Dumont. Foi dando a hora do show, o espaço enorme foi enchendo e às 19h30 quando começamos o show já estava bemmm cheio. Chuto umas 400 pessoas.

Tocamos 17 músicas varadas e a receptividade foi incrível, todo mundo dançando, participando e interagindo conosco. É muito legal tocar num ambiente que não tem padrão de público específico. Tinha desde de senhoras de idade até roqueiros de camisa preta e tatoo no pescoço! É nesse tipo ambiente que o som do Camarones mais se propaga. Depois de um longo set ainda pediram bis, tocamos e logo depois uma enorme fila se formou para adquirir nossa merchadising (vendeu muitooooooo). Legal também foi ver os amigos do The Vain de Taubaté, brothers que nos receberam em Paraibuna em outubro do ano passado e roqueiros como a Selma (ex-autoramas) todos na platéia para nos acompanhar. Foi mágico!

Partimos por volta das 21h de SJC. Chegamos em SP, umas 23h, comemos alguma coisa e fomos direto para a Augusta (no BECO, lugar que tocaremos em maio no PIB) assistir os amigos do Macaco Bong e os canadenses do Japandroids. Somos jovens né? Noite sem dormir, dois shows feitos, dois shows por fazer e em vez de dormir fomos ver rock. Mas a vida na música é assim, você prestigia, participa e recebe isso de volta.


Foto: Foca em ação no Domingo na Casa (São Paulo)

De novo estávamos de pé ao meio-dia. Já era sábado e tínhamos dois compromissos. O primeiro era ver amigos potiguares (valeu Lija e Marlos) cumprido no almoço. Logo depois, perto das 14h partimos em direção a Bauru para se apresentar no Grito Rock de lá. Antes da primeira das quase 4 horas de estrada que enfrentamos (340km de distância) caiu uma chuva torrencial, daquele jeito que o paulistano já conhece. Raios, trovões, pista molhada, etc. Atenção redobrada na direção e seguimos nossa rota na tranqüilidade.

Já era começo de noite quando entramos em Bauru. Éramos a segunda banda mas fomos convocados a passar o som, não sem antes jantar um ENORME sanduíche coletivo de 3 kilos oferecido por um dos patrocinadores do Enxame Coletivo, produtora local da atividade. Depois ficamos sabendo que o mesmo sanduiche alimentou outras 6 pessoas.

Essa foi a segunda vez que tocamos no Jack Pub. O lugar é muito bom, com boa sonorização e ótimo para o público. Acho que umas 150 pessoas passaram pelo show. Com muitas bandas no lineup tocamos um pouco menos de 30 minutos e de novo a turma pediu, sendo que desta vez, por respeito aos outros amigos das bandas seguintes não deu para atender. Foi uma apresentação mais fria, até pelo ambiente do local. Se perdemos um pouco no quesito “rock”, ganhamos na técnica. Em Bauru foi onde tocamos melhor.


Foto: Léo em Bauru

09h da manhã e o Camarones já está na estrada. Era o último show da semana no fim de tarde e queríamos chegar a tempo de organizar nossa bagagem e seguir ruma a Casa fora do Eixo no Cambuci em São Paulo Capital. Tudo nos conformes na viagem de volta, bagagem arrumada e chegamos na CAFÉ perto das 16h. Por lá já estavam o Humanish, Black Drawing Chalks e o Macaco Bong e ficamos resenhando até os shows começarem.

O Domingo na Casa é certeza de duas coisas: climão no seu próprio show e ótimas apresentações juntas. O lineup é sempre excelente. Fomos a segunda banda e antes de começar o GrindHouse (a primeira) desabou o mundo de chuva na capital paulista. Foi quase uma hora de chuva forte que não foram suficientes para esfriar o clima dos shows. Tocamos num calor bruto, esquema roqueiro, estávamos em casa e mais uma vez (a terceira) o show na CAFÉ foi lindão!

Só deu tempo de carregar o carro e seguir direto para Guarulhos. Nosso vôo foi às 23h, 21h já estávamos por lá e aí vocês já sabem o que aconteceu depois. Tele-transporte de volta para Natal! Essa semana tem #tourcamarones em Natal, Campina Grande e João Pessoa. Nos vemos na estrada, até!

TEM BANDA? QUER TENTAR ESSA ROTA? LÁ VAI OS CONTATOS:
Rasgada Coletiva (Sorocaba)http://www.facebook.com/pages/Rasgada-Coletiva/209328385778745

Sesc (São José dos Campos)http://www.sescsp.org.br/sesc/busca/index.cfm?unidadesdirector=72

Enxame Coletivo (Bauru)http://www.facebook.com/enxamecoletivo

Casa Fora do Eixo (São Paulo)www.casa.foradoeixo.org.br

Esta entrada foi publicada em Noticias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Uma resposta a COMO FOI? TOUR CAMARONES – SOROCABA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, BAURU E SÃO PAULO

  1. Pingback: CAMARONES TOUR REPORT: SOROCABA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, BAURU E SÃO PAULO » DoSol

Deixe uma resposta