COMO FOI? CAMARONES TOUR NO SUDESTE

camarones sorocaba
Camarones em Sorocaba. Foto: Rasgada Coletiva

Já perdemos as conta de quantas vezes já tocamos no estado de São Paulo e na capital. É um roteiro já bem sólido pro Camarones e nada mais justo do que iniciarmos o trabalho de divulgação do nosso disco por lá. Saímos do Bananada com a sensação de dever cumprido mas não dava nem tempo de comemorar o bom show. Check out, aeroporto e em duas horas já estávamos pousando no aeroporto de São Paulo para a segunda parte dessa perna de tour. A missão era relativamente fácil mas com a logística complicada: descer em Congonhas, afinar um carro alugado, fazer com que as bagagens coubessem no carro e chegar em São José dos Campos antes das 20h para mais um show.

Antes das 19h já está vamos entrando na cidade (aliás essa foi nossa viagem com a logística mais afinada, estamos pegando a manha). O Hocus Pocus, lugar do show em SJC é lendário, deve ter uns 20 anos ativo. Domingo a noite, frio, final do campeonato paulista e deveria ter umas 50 pessoas para assistir os shows agitados pela querida Selma (amiga que conhecemos quando ainda tocava baixo nos Autoramas). Foi ótimo com um som muito bom. Fomos dormir cedo e nos preparar pro dia seguinte. Duas pautas estavam por vir.

Antes das 14h já estávamos na ação novamente. Fomos pro Estúdio Wasabi convite deles para uma sessão de gravação de áudio e vídeo, as primeiras com músicas do nosso disco novo. Gravamos tudo em one take, em menos de meia hora e já era. Agradecemos e seguimos viagem para Sorocaba, novamente antes das 19h tínhamos que estar por lá para nos apresentar na Carne de Segunda. Viagem horrenda, tendo que atravessar São Paulo capital com uma jornada engarrafada.  Chegamos a tempo no destino direto no lugar do show que já conhecíamos de vezes anteriores. Umas 200 pessoas em volta mas só umas 50 conseguiam ver o show por vez. Alto, muito alto! Merchadising bombou, show ótimo e novamente estrada para dormir em São Paulo. Depois de seis pautas em cinco dias finalmente um dia off na terça.


Wasabi Sounds: Camarones Orquestra Guitarrística

Quarta tínhamos um pocket para fazer em Campinas num lugar bacaníssimo chamado Disorder. Aproveitamos para chegar cedo, olhar a loj,a conhecer os donos e bater um papo com a galera. De novo o mesmo esquema lugar bem pequeno (para dias de semana é o melhor esquema), rock alto e merchand bobando. Foi excelente para um dia chuvoso e frio (mais um). Recomendamos muito a Disorder pra quem curte skate e cultura.

Quinta era dia de duas pautas novamente. As duas em São Carlos, lugar que temos muitos amigos e que já passamos várias vezes (quatro com essa). Fomos direto para Ufscar e ficamos 30 minutos no ar tocando o disco novo e conversando sobre música e Dosol. Foi excelente. Seguimos pra Casa Fora do Eixo São Carlos numa estadia excelente capitaneada pela turma do Aeromoças e Tenistas Russas, amigos da estrada. Na rádio ficamos sabendo de um show gratuito da Céu no Sesc SC, aproveitamos, vimos o show visitamos a curadoria deles para deixar nosso disco novo. Logo depois partimos para EXCELENTE  Gig, nova casa de shows da cidade. Passamos o som e antes da uma da manhã mandamos bala no rock.  Recomendamos muito as bandas colocarem o GIG na sua rota, lugar aprovadíssimo.

Voltamos a SP para o único show na capital, esse agitado pelo amigo Renan da banda Drákula (já passaram por Natal num domingo a noite no Jazzy). Muitos amigos de bandas apareceram e o Astronete, lugar simpaticíssimo de rock loco da Augusta ficou souldout. Dentre a turma das bandas/produotres pintou o Nevilton, Huey, Farrapo (Lollapalooza), Chuck (Vespas Mandarinas) e mais uma galera massa. Bebemos, comemos, celebramos e tocamos no escuro já perto das duas manhã. Digamos que o show show não foi um primor técnico, ehehehe. Mas foi divertidão e a gente se divertiu muito (e o público pareceu se divertir também). Abração a todo mundo da Astronete, a Shakesville e ao Tchello, DJ roqueiro que nesse dia tava no bar.

Seguimos para a última data da tour. Destino? Bragança, Casa30. Ressaca e cansaço pelas noites mal dormidas, rock e viagens. Mas é aquela né? Lugar legal, terra do Leptospirose e do amigo Quique Brown, turma da Casa30 na mais alta firmeza e deixamos o cansaço de lado. Foi um dos shows mais legais da tour. Antes ainda teve direito a churrasco na casa do Quique e afins e fechou tudo na alegria plena.

O Curioso Caso da Música Invisível aos poucos vai sendo desvendado Brasil a fora. Nosso obrigado especial para a turma do Vinda e Vivendo do Ócio que abriram suas casas para nos abrigar nesses dias de SP. Os próximos passos estão todos no nordeste, onde a tour fica em junho e julho. Valeu São Paulo, voltaremos em breve.

Esta entrada foi publicada em Noticias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta