CLIPPING: CIRCUITO CULTURAL RIBEIRA NO DOSOL


Foto: Dusouto no palco com a rua totalmente tomada

Terça de carnaval. A dualidade de públicos que aproveita o carnaval se divide entre aqueles que ficam em casa porque não tem opção que lhes agrade no meio dos paredões de axé do carnaval de pirangi ou do carnaval do forró eletrônico de Caicó e aqueles que já estão na batalha da folia desde sexta e ainda tem fôlego para mais.

Foi nesse clima que ao bairro histórico da Ribeira recebeu a primeira etapa do Circuito Cultural Ribeira, ação coordenada pelo Dosol e pela Casa da Ribeira, ambos completando dez anos de atividades. E os dois combos de cultura tiveram a festa que merecem. Mais de 4.000 pessoas circularam na Frei Miguelinho e puderam presenciar um espetáculo de música boa e organização no meio do carnaval, com Natal se consolidando como um dos pólos mais relevantes do carnaval alternativo do Brasil se juntando a eventos como Recbeat em Recife, Encontro da Nova Consciência em Campina Grande e Psycho Carnival em Curitiba.


Foto: Trem Fantasma dando entrevista para tvs locais

Pontualmente às 16h30 a programação teve início com o Trem Fantasma, banda que tem como proprosta interpretar temas de música infantil para gurizada. E a turma mais nova estava lá e teve seus 40 minutos de diversão. Na sequência a Banda de Choro do Buraco da Catita levou o já bom público presente ao delírio com um show de interpretação e musicalidade numa formação com várias bambas  da música potiguar.


Foto: Camilo, Banda de Choro do Buraco da Catita

Com a rua da ribeira completamente tomada pelo público o Rosa de Pedra começou a sessão descarrego num clima de batuques, cantos e poesia. Belo show. O primeiro convidado de fora a se apresentar no Circuito Cultural Ribeira foi o Cabruera. Quem viu as últimas apresentações do grupo e o show apoteótico que a banda fez no Festival Dosol 2010 já sabia o que esperar, mas público de shows gratuitos no meio da rua é tão eclético que até os mais iniciados soam como novidade. A Cabruera pegou a platéia de jeito, orquestrada pelo excelente front man Arthur Pessoa. Foi um dos grandes momentos da noite.


Foto: Rosa de Pedra

Na sequência, Valéria Oliveira levou seu Baile Sem Perder o Passo para a programação da rua do Circuito Cultural Ribeira. Com repertório totalmente carnavalesco e com uma banda afiada, fez a festa de quem gosta de frevo e sambas tradicionais, demonstrando todo o ecletismo da programação. Vimos muita gente com camisa de banda black metal sacolejando ao som da maior cantora da nossa cidade.

O Camarones Orquestra Guitarrística tinha uma das missões mais difíceis da noite: tocar rock instrumental no meio do carnaval e manter o clima de festa. Antes mesmo do show terminar o público já estava pedindo bis, as guitarras estrondaram alto e uma roda gigante se formou em frente ao palco no final do show. Missão cumprida para a banda capitaneada pelas meninas.


Foto: Cabruera, um dos melhores shows da noite

Com o jogo ganho o Canastra do Rio de Janeiro, segunda banda de outro estado no lineup, fez o que vem fazendo por onde passa, botou para fora seu repertório de rockabilly/jazzy muito bem feito e colocou todo mundo para dançar. Mais uma vez vi muita gente de camiseta preta balançar ao som dos cariocas. Nota 10, ninguém fica impune.


Foto: Canastra

O melhor da festa ficou pro fim. Os Malokeros High Society do Dusouto ficaram com a incubência de fechar a já lendária terça de carnaval de 2011 e demonstraram a quantas anda a popularidade do grupo e a interação dos mesmos com a platéia. Todo mundo cantando tudo, dançando, se jogando num clima que vimos poucas vezes por aqui. Ao final do show num depoimento emocionado Gustavo Lamartine disse que foi um dos melhores, se não o melhor show que o Dusouto já fez. Não duvido.

A próxima etapa do Circuito Cultural Ribeira que tem o patrocínio da Vivo, dentro do projeto Conexão Vivo de cultura é dia 03 de abril, ocupando todo o bairro histórico e contnuando a levar cultura e cidadania para a comunidade potiguar. Valeu Dosol, valeu Casa da Ribeira.

Fotos por Ana Morena Tavares

Esta entrada foi publicada em Clipping. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta