CAMARONES E MÓVEIS EM JOÃO PESSOA: COBERTURA PBAGORA

7º Festival Mundo leva mais de 1.500 pessoas ao Espaço Cultural

7º Festival Mundo leva mais de 1.500 pessoas ao Espaço Cultural
A festa do Mundo só começou, mas já abriu os trabalhos em grande estilo. Na última sexta-feira (02), a abertura da 7ª edição do Festival Mundo levou um público de mais de 1.500 pessoas ao Espaço Cultural, em João Pessoa, para conferir a vernissage da exposição de artes visuais na galeria Archidy Picado e os shows de Móveis Coloniais de Acaju (DF), Camarones Orquestra Guitarrística (RN) e Os Reis da Cocada Preta (PB) no Teatro de Arena.

Logo no começo da noite a ansiedade do público ficou clara nas filas formadas na bilheteria no Teatro de Arena e na movimentação intensa na Galeria. Enquanto os músicos aqueciam os instrumentos no palco, na Galeria a vernissage apresentava os trabalhos artísticos com o tema Psicoledia selecionados pela curadoria para compor a exposição. Os artistas interagiram com o público comentando seus trabalhos e o coletivo Dia aproveitou para fazer a intervenção no momento da vernissage, chamando atenção para o passo a passo da produção.

Em pouco tempo toda a expectativa explodiu nos aplausos da plateia com a entrada de Os Reis da Cocada Preta no palco anunciando de uma vez: começou! A felicidade espontânea de Os Reis era transpirada pelos garotos que pulavam, dançavam e eram acompanhados pelo público que entoou letras de músicas como “Esse É Meu País”, “Sr. Wheeler”, “Me Deixe Por Favor”, entre outras. O primeiro show que marcou a abertura do Festival Mundo 2011 aconteceu como grande celebração, não só pelo Festival, mas pela volta positiva e operante aos palcos da banda que este ano passou por um susto com um acidente com o baterista Diego Miranda. Não precisou de muitas músicas para perceber como a banda quer bem e é querida pela Paraíba.

Logo em seguida a banda Camarones Orquestra Guitarrística garantiu um show redondo, bonito, e instigado. Quem já tinha decorado alguns riffs e acordes das músicas do mais recente disco “Espionagem Industrial”, percebeu a força que elas ganharam quando tocadas ao vivo. A banda emanou uma energia incendiária, que inflamou fácil a rodinha de pogo (que tentava se sustentar mesmo no pequeno espaço em frente ao palco), principalmente quando o integrante Anderson Foca convidou os “metaleiros” da plateia. Um show memorável.

Após o esquenta garantido pelos dois ótimos shows, o ápice da noite veio com o Móveis Coloniais de Acaju. De volta ao Festival, dessa vez pelo projeto “Rotas Musicais” – selecionado pelo Programa Petrobras Cultural que está levando a banda a 12 cidades brasileiras – os caras mostraram porque são sempre uma boa pedida. Não houve quem ficasse parado com a sintonia entre o palco e a plateia que levantou coros e movimentados sincronizados numa amostra de entrega a alegria e ao alto astral. E se o palco parecia apertado para efusividade do momento, a solução foi fazer duas rodas, uma no palco, outra na plateia, que acompanhada do saxofonista, levou a esperada música ‘Copacabana’ com muita festa, características marcante das apresentações da banda. Antes do show a banda realizou o debate ‘O Mercado Musical Independente’, onde falou sobre a rotina de uma banda-empresa e o contexto musical atual.

No dia seguinte a programação seguiu com oficinas e assim permanece até dia 12 deste mês, contando também com mostra audiovisual, debates e mesas-redondas. Os dias que prometem maior movimentação são 10 e 11 com shows de mais de 20 bandas, artes cênicas, mostra audiovisual e esportes radicais. A programação completa está disponível em www.festivalmundo.com.br

http://www.pbagora.com.br/conteudo.php?id=20111205145826&cat=cultura&keys=-festival-mundo-leva-mais-pessoas-ao-espaco-cultural

Esta entrada foi publicada em Clipping. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta